Archive for the ‘internet’ Category

A UXORICIDA

“Quando chegares à conclusão de que o mundo está louco, toma cuidado: o louco és tu”.

Não sei quem disse isto. Mas se clicarem AQUI, verão que o dito é verdadeiro.
Anúncios

O LSS E O CANCRO (II)

Eis o resultado das minhas investigações:


LSS – Lauril Sulfato de Sódio causa cancro.

Essa é mais uma das centenas de bobagens que circulam e deixa muita gente preocupada. Há ou não razão para essa preocupação com o xampu? Vejamos.

Há três pontos a destacar antes mesmo de verificar a procedência ou não do temor.

Primeiro: a mensagem afirma:

Pesquisas têm mostrado que nos anos 80 a probabilidade de contrair câncer era de 1 em 8000 e agora nos anos 90 é 1 em 3, o que é bastante grave.

O autor não informa quem realizou a pesquisa nem qual a fonte desses números. Seria possível, em apenas dez anos, ocorrer um salto tão grande na probabilidade de se contrair câncer: de 1:8.000 para 1:3? Ou seja, há dez anos, uma em cada oito mil pessoas contraíam câncer e hoje uma em cada três pessoas contraem câncer. Enquanto as pesquisas médicas e os métodos de detecção da doença avançam, os números se tornariam mais assustadores. Verdade? Nem de longe.

Segundo: a mensagem afirma:

Talvez possamos parar de “espalhar” por aí o vírus do câncer.

Qualquer pessoa razoavelmente informada sabe que não é um vírus que causa o câncer. Já que se falou em vírus, uma pergunta: o tal “vírus do câncer” é disseminado pelo componente Lauril Sulfato de Sódio, permanentemente contaminado desde o processo de fabricação? Que gente descuidada, esses fabricantes.

Terceiro: o apelo final é uma das características das lendas:

Passe esta informação para o maior número possível de pessoas.

A versão brasileira da mensagem tem uma “nota do tradutor”, uma verdadeira pérola. O “tradutor” teria telefonado para um dos fabricantes e questionado o uso do Lauril Sulfato de Sódio, um produto supostamente cancerígeno, na fórmula do xampu. O fabricante, candidamente, teria respondido que “… não poderiam fazer nada, pois precisam dela para produzir espuma…” e continuariam a usar o tal Lauril. Dá pra acreditar numa coisa dessas? A propósito: o texto de autoria do “tradutor” é igual ao texto que circula nos EUA e na França.

O amontoado de sandices da mensagem se encerra com o nome de um “doutor” e com uma sigla: IPAE. Esse doutor existe? Onde ele trabalha? As iniciais IPAE seriam de que instituição? Pesquisando em alguns sistemas de busca achei essa sigla associada a uma Igreja Adventista, ao Instituto Português das Artes do Espectáculo e também ao IP Address Encapsulation (IPAE). Nenhum deles é uma entidade ligada à saúde ou à pesquisa ;(

No site do Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul, encontra-se o texto Lauril Sulfato de Sódio – LSS. Ele informa que

O produto [Lauril Sulfato de Sódio – LSS] é um surfactante aniônico, biodegradável, possui ação detergente e emulsificante. Tem ampla utilização na Indústria farmacêutica e cosmética, produtos de higiene pessoal (xampu, pasta dental, cremes, etc.), detergentes de uso domésticos, limpeza industrial e inúmeras sínteses químicas.

Não há nenhuma referência de CARCINOGÊNESE ou risco à saúde em vasta bibliografia consultada especializada em toxicologia clínica ou sobre substâncias Carcinogênicas, inclusive Organização Mundial da Saúde e IARC – Agência Internacional de Pesquisa do Câncer.

Só para terminar:

1. o lauril sulfato de sódio é usado na fabricação de xampus e muitas pessoas usam xampus para lavar os cabelos;
2. alguns habitantes do planeta Terra contraem câncer;
3. é provável que algumas das pessoas que contraem essa doença usem xampus “contaminados” com o LSS para lavar os cabelos.

Dá pra concluir a existência de uma relação de causa e efeito entre o LSS e o câncer? É claro que não.

Se você ainda não está convencido de que tudo não passa de conversa fiada veja o parecer da ANVISA intitulado PARECER SOBRE O POTENCIAL CARCINOGÊNICO DO LAURIL SULFATO DE SÓDIO. Ele apresenta a seguinte conclusão:

1 – Os dados propagados pela Internet não apresentam as publicações científicas que sustentam as afirmações feitas;

2 – Lauril sulfato de sódio, lauril éter sulfato de sódio, lauril sulfato de amônio e lauril éter sulfato de amônio, não constam da lista de produtos carcinogênicos do National Toxicology Program (Maio/2000) e nem do IARC – International Agency for Research on Câncer (Março/1999), este último, laboratório criado pela Organização Mundial da Saúde, sediado na França;

3 – Em documento do CIR (Cosmetic Ingredient Reviews), publicado no JACT 2(7) (1983), o lauril sulfato de sódio e o de amônio foram seguros para uso em produtos de enxágüe imediato (rinse-off). Entretanto, para produto que permanecem em contato prolongado com a pele, isto é, não enxaguados imediatamente após aplicação (leave-on), recomendou-se que a concentração não exceda 1% (um por cento), em função da característica irritante dos tensoativos;

4 – No JACT 2(5) (1983), o CIR conclui que o lauril éter sulfato de sódio e o lauril éter sulfato de amônio são seguros em concentrações até 50%;

5 – Com base nos dados apresentados acima, até o presente momento, não constam informações técnicas e científicas relativas ao potencial carcinogênico dos tensoativos lauril sulfato de sódio e lauril éter sulfato de sódio.

O resto é espuma…

Texto da mensagem:

CUIDADO COM O SHAMPOO QUE VOCÊ UTILIZA!

Alerta de Saúde

Substância Lauril Sulfato de Sódio

Verifique se entre os ingredientes do seu shampoo há uma substância chamada”Lauril Sulfato de Sódio” ou LSS. Esta substância é encontrada na maioria dos shampoos, pois os fabricantes a utilizam por ela produzir muita espuma a baixo custo. Mas, na verdade, o LSS é usado para lavar chão de oficinas (ele é um desengraxante).

Está comprovado que ele pode causar câncer a longo prazo, o que não é nenhuma piada. Em casa, chequei o meu shampoo (Vital Sason) e ele não tem LSS, mas outras marcas como: Vo5, Palmolive, Paul Mitchell, o novo Hemo shampoo contém esta substância.

Nota do tradutor: Aqui no Brasil, chequei os que tenho: Organics, Revlon Flex, Dimension e todos contém LSS. Então liguei para uma destes fabricantes e falei que eles estavam usando uma substância cancerígena, eles concordaram com minha afirmação mas disseram que não poderiam fazer nada, pois precisam dela para produzir espuma.

A pasta dental da Colgate (Bubbles) também contém LSS. Eles prometeram-me enviar mais informações.

Pesquisas têm mostrado que nos anos 80 a probabilidade de contrair câncer era de 1 em 8000 e agora nos anos 90 é 1 em 3, o que é bastante grave.

Espero que você leve esta advertência com seriedade e compartilhe com as pessoas que você conhece.

Talvez possamos parar de “espalhar” por aí o vírus do câncer.

Passe esta informação para o maior número possível de pessoas. Esta não é uma corrente, mas uma preocupação com a nossa saúde.

Dr. E…. R…. M…

IPAE

Então, qual o porquê destas mensagens?

A Internet está a chegar a cada vez mais pessoas – principalmente desde que o sr. Sócrates decidiu fazer pela vida e desatou a vender portáteis a 150 euros. Depois, há pessoas que não estão devidamente informadas – era o meu caso, acerca disto – e que, num impulso solidário, desatam a reenviar a mensagem para tudo quanto é gente. A falta de conhecimento das malandrices informáticas levam a que muita gente proceda ao reenvio sem tomar uma precaução elementar: apagar os endereços que aparecem “pendurados” na mensagem, provenientes reenvios. Ainda não há muitos dias, recebi uma mensagem que “transportava” para cima de VINTE endereços. Uma delícia, para os fornecedores de endereços às firmas . Graças a uma palavra ou frase-chave (por exemplo, a frase que é comum a todas as mensagens, passe esta informação para o maior número possível de pessoas), é possível recolher TODAS as mensagens mais os respectivos endereços que, depois, são vendidos a peso de ouro a firmas que, mais tarde, nos convidam a comprar “viagra” ou um remédio para alargar o pénis…
Como evitar? Primeiro, apague TODOS os endereços da mensagem que recebeu e que pretende reenviar; depois, coloque todos os endereços dos destinatários do reenvio no campo BCC ou CCO.

O LSS E O CANCRO (I)

A internet é (devia ser!) um meio de comunicação por excelência. Ela aboliu, completamente, as fronteiras ainda existentes, e os antípodas estão à distância de um toque no botão do “rato” (vulgo clique). Dela nos podemos servir para protestar, elogiar, comprar, vender, fazer amigos virtuais… enfim, um nunca mais acabar de coisas, impensáveis há alguns anos. Mas também pode servir para dar largas à estupidez, à ignorância, à maldade, à má-língua e, de um modo geral, a tudo o que o ser humano tem de mais primitivo e reles.
Vem todo este
arrazoado a propósito de (mais) uma mensagem electrónica que, ultimamente, tem circulado no ciberespaço, e que recebi há dias. Passo a transcrevê-la:

Assunto: Alerta da Faculdade de Ciências – AVISO Data: Wed, 31 Oct 2007 12:53:11 -0000

PARA A NOSSA BOA SAÚDE!
Devem procurar o nome do composto em inglês: Sodium Laureth Sulfate.

Aos produtos abaixo identificados juntam-se o gel de banho da Sanex, os sabonetes líquidos do Carrefour e Feira Nova (produtos brancos) e o shampoo da Dove.

Verifiquem se entre os ingredientes do champoo que usam há uma substância chamada ” Lauril Sulfato de Sódio ou LSS.

Esta substância faz parte da composição da maioria dos champôs pois os fabricantes utilizam-na por ela produzir muita espuma a baixo custo. No entanto o LSS é usado para lavar chão de oficinas (é um desengordurante).

Verifiquei que o champô Vidal Sassoon não tem LSS, mas outras marcas como: VO 5, Palmolive, Paul Michell, Organics, Revlon Flex, Dimension o novo HernoKlorane champô, e muitas, muitas outras, contêm esta substância.

Ligou-se para um destes fabricantes,e foi-lhes dito que eles estavam a usar uma substância cancerígena. Eles concordaram com a afirmação, mas disseram que não podiam fazer nada pois precisavam dela para produzir espuma.

A pasta dentífrica Colgate (bubbles) também contém LSS.

Várias pesquisas têm mostrado que nos anos 80 a probabilidade de contrair cancro era de 1 em 8000 e nos anos 90 era de 1 em 3, o que é bastante grave.

Espero que tomem esta advertência com seriedade e a partilhem com as pessoas que conhecem, talvez possamos parar de “espalhar” por aí o”vírus” do cancro, evitando comprar champôs que contenham o LSS-Lauril Sulfato de Sódio, até que os seus fabricantes tomem a providência de substituir este componente por outro que não prejudique a saúde dos seus consumidores.

Por favor passem esta informação para o maior número possível de pessoas que isto não se trata de uma corrente, mas de uma preocupação com a nossa saúde.”

Faculdade de Ciências e Tecnologia

Universidade Nova de Lisboa

Dr.ª Catarina Roriz.”

Confesso que, a princípio, preocupava-me em repassar este tipo de mensagens; no
fim de contas, a Internet também pode, e deve, servir para lançar alertas e dar largas à nossa proverbial solidariedade. Só que comecei a notar muitas semelhanças nas diferentes mensagens. Principalmente, uma frase comum a todas: “Por favor passem esta mensagem para o maior número de pessoas“. Decidi parar para pensar. E, antes de a reenviar, decidi informar-me. Assim, enviei um email à DECO que, por qualquer razão (incluindo o endereço inapropriado) não respondeu. Por isso, resolvi arregaçar as mangas e investigar por conta própria. O que até nem foi difícil, nem precisei de sair de casa. Procurei na net.
E encontrei, claro.

(continua)

O LSS E O CANCRO (I)

A internet é (devia ser!) um meio de comunicação por excelência. Ela aboliu, completamente, as fronteiras ainda existentes, e os antípodas estão à distância de um toque no botão do “rato” (vulgo clique). Dela nos podemos servir para protestar, elogiar, comprar, vender, fazer amigos virtuais… enfim, um nunca mais acabar de coisas, impensáveis há alguns anos. Mas também pode servir para dar largas à estupidez, à ignorância, à maldade, à má-língua e, de um modo geral, a tudo o que o ser humano tem de mais primitivo e reles.
Vem todo este
arrazoado a propósito de (mais) uma mensagem electrónica que, ultimamente, tem circulado no ciberespaço, e que recebi há dias. Passo a transcrevê-la:

Assunto: Alerta da Faculdade de Ciências – AVISO Data: Wed, 31 Oct 2007 12:53:11 -0000

PARA A NOSSA BOA SAÚDE!
Devem procurar o nome do composto em inglês: Sodium Laureth Sulfate.

Aos produtos abaixo identificados juntam-se o gel de banho da Sanex, os sabonetes líquidos do Carrefour e Feira Nova (produtos brancos) e o shampoo da Dove.

Verifiquem se entre os ingredientes do champoo que usam há uma substância chamada ” Lauril Sulfato de Sódio ou LSS.

Esta substância faz parte da composição da maioria dos champôs pois os fabricantes utilizam-na por ela produzir muita espuma a baixo custo. No entanto o LSS é usado para lavar chão de oficinas (é um desengordurante).

Verifiquei que o champô Vidal Sassoon não tem LSS, mas outras marcas como: VO 5, Palmolive, Paul Michell, Organics, Revlon Flex, Dimension o novo HernoKlorane champô, e muitas, muitas outras, contêm esta substância.

Ligou-se para um destes fabricantes,e foi-lhes dito que eles estavam a usar uma substância cancerígena. Eles concordaram com a afirmação, mas disseram que não podiam fazer nada pois precisavam dela para produzir espuma.

A pasta dentífrica Colgate (bubbles) também contém LSS.

Várias pesquisas têm mostrado que nos anos 80 a probabilidade de contrair cancro era de 1 em 8000 e nos anos 90 era de 1 em 3, o que é bastante grave.

Espero que tomem esta advertência com seriedade e a partilhem com as pessoas que conhecem, talvez possamos parar de “espalhar” por aí o”vírus” do cancro, evitando comprar champôs que contenham o LSS-Lauril Sulfato de Sódio, até que os seus fabricantes tomem a providência de substituir este componente por outro que não prejudique a saúde dos seus consumidores.

Por favor passem esta informação para o maior número possível de pessoas que isto não se trata de uma corrente, mas de uma preocupação com a nossa saúde.”

Faculdade de Ciências e Tecnologia

Universidade Nova de Lisboa

Dr.ª Catarina Roriz.”

Confesso que, a princípio, preocupava-me em repassar este tipo de mensagens; no
fim de contas, a Internet também pode, e deve, servir para lançar alertas e dar largas à nossa proverbial solidariedade. Só que comecei a notar muitas semelhanças nas diferentes mensagens. Principalmente, uma frase comum a todas: “Por favor passem esta mensagem para o maior número de pessoas“. Decidi parar para pensar. E, antes de a reenviar, decidi informar-me. Assim, enviei um email à DECO que, por qualquer razão (incluindo o endereço inapropriado) não respondeu. Por isso, resolvi arregaçar as mangas e investigar por conta própria. O que até nem foi difícil, nem precisei de sair de casa. Procurei na net.
E encontrei, claro.

(continua)