Archive for the ‘AMBIENTE’ Category

VAMOS POUPAR ÁGUA?


Nos meus tempos de estudante – aí por alturas da então chamada 4ª Classe – aprendi a “história” do ciclo da água. Era assim: a água está na Terra, evapora-se, transforma-se em nuvens, condensa-se, cai sobre a Terra, evapora-se… enfim, um ciclo infinito. Contrário ao que acontece com, por exemplo, o petróleo que, como todos sabemos, um dia se irá esgotar.
Ora, então parece que aquele ciclo da água é infinito. Ou seja, a água que existe hoje é a mesma que existia quando a Terra se formou. Nem mais um litro, nem menos um mililitro.
Porém, e apesar disso, andam a querer que eu poupe água. Por acaso até poupo. Não porque ela faça falta aos vindouros, como querem convencer-me, mas porque “pesa” no contador e, por arrastamento, no orçamento doméstico. Só por isso. Porque ninguém vai conseguir convencer-me de que a água que eu gasto hoje vai fazer falta aos meus netos, bisnetos, trinetos, e por aí fora. Quanto mais não seja porque eu não deixo que me convençam. Se me falarem em petróleo, fico calado. É evidente que o que eu gastar hoje não vai haver amanhã. Mas a água…? A água que eu beber hoje hei-de deitá-la fora, ela irá ser purificada pela evaporação e regressará à Terra, tão certo como haver amanhã.
Estão a dizer-me, ao ouvido, que a água que está a faltar é a água potável… Não percebo. A água que cai das nuvens é potável!! Ela continuará a ser potável, a menos que alguém a torne imprópria para consumo. Ora, tanto quanto sei, isso é crime. Então, punam-se exemplarmente os prevaricadores. Não com multas simbólicas, mas de maneira a que deixe de ser compensador poluir a água!
Estão a dizer-me ao ouvido que é economicamente mais viável encarecer a água, com a desculpa de que há pouca… Por causa de alguns interesses instalados, dizem… Que esta coisa de ETAR é muito cara, dizem…
Está bem.
Vou começar a poupar água.

– PS: Estou disponível para aceitar argumentos que contrariem o que exponho, e que me convençam de que estou enganado.
Mas garanto que não vai ser tarefa fácil.

VAMOS POUPAR ÁGUA?


Nos meus tempos de estudante – aí por alturas da então chamada 4ª Classe – aprendi a “história” do ciclo da água. Era assim: a água está na Terra, evapora-se, transforma-se em nuvens, condensa-se, cai sobre a Terra, evapora-se… enfim, um ciclo infinito. Contrário ao que acontece com, por exemplo, o petróleo que, como todos sabemos, um dia se irá esgotar.
Ora, então parece que aquele ciclo da água é infinito. Ou seja, a água que existe hoje é a mesma que existia quando a Terra se formou. Nem mais um litro, nem menos um mililitro.
Porém, e apesar disso, andam a querer que eu poupe água. Por acaso até poupo. Não porque ela faça falta aos vindouros, como querem convencer-me, mas porque “pesa” no contador e, por arrastamento, no orçamento doméstico. Só por isso. Porque ninguém vai conseguir convencer-me de que a água que eu gasto hoje vai fazer falta aos meus netos, bisnetos, trinetos, e por aí fora. Quanto mais não seja porque eu não deixo que me convençam. Se me falarem em petróleo, fico calado. É evidente que o que eu gastar hoje não vai haver amanhã. Mas a água…? A água que eu beber hoje hei-de deitá-la fora, ela irá ser purificada pela evaporação e regressará à Terra, tão certo como haver amanhã.
Estão a dizer-me, ao ouvido, que a água que está a faltar é a água potável… Não percebo. A água que cai das nuvens é potável!! Ela continuará a ser potável, a menos que alguém a torne imprópria para consumo. Ora, tanto quanto sei, isso é crime. Então, punam-se exemplarmente os prevaricadores. Não com multas simbólicas, mas de maneira a que deixe de ser compensador poluir a água!
Estão a dizer-me ao ouvido que é economicamente mais viável encarecer a água, com a desculpa de que há pouca… Por causa de alguns interesses instalados, dizem… Que esta coisa de ETAR é muito cara, dizem…
Está bem.
Vou começar a poupar água.

– PS: Estou disponível para aceitar argumentos que contrariem o que exponho, e que me convençam de que estou enganado.
Mas garanto que não vai ser tarefa fácil.