Eu, Deus

ou

A Um Passo da Insanidade

…………..Paulo Braule

No caos de um outro quadrante,
Milhões de anos-luz distante,
Cheguei à noite – ou de dia?
Não sei, pois lá não havia
Estrelas, nem luz, nem céu.
Apenas Eu, solto, ao léu.

Não cabe aqui neste verso
Descrever este Universo
-Desnecessária empreitada,
Pois lá não havia nada,
Nem formas nem conteúdo,
Portanto, Nada era Tudo.

De posse, por Minha Lei,
Com foros de Dono e Rei,
Jazia Eu à vontade.
Depois de uma eternidade
-Ou duas, pra ser exato,
Um som cortou meu barato.

Um som? Direis, boquirroto,
Só ronco, pum ou arroto…
Não existe outro motivo!
Cuidai, sou Deus vingativo.
Por pouco não me exacerbo.
Tal som, sabei, era o Verbo.

E o Verbo vinha da essência
Da Minha própria existência.
Contende vosso sarcasmo…
Cansado desse marasmo
Dispus criar algo novo.
Primeiro a galinha ou o ovo?

Não importa: Era disposto
A deixar tudo a Meu gosto.
Como no caos era escuro,
Pra trabalhar com apuro,
Precisei criar a luz,
E à luz meu mundo compus:

Obrando com euforia,
Fiz terra e céu num só dia
-Não dia assim planetário,
Mas do Meu Divino Horário.
O resto, fiz noutros cinco.
Descanso, agora, do afinco.

Fiz terras, mares e ilhas,
E incontáveis maravilhas,
Sem falar da criatura,
Que fiz a minha figura,
Moldada em barro molhado,
Pra ser por ela louvado.

Dei-lhe, além da cabeça,
Pra que comigo pareça,
Pênis, braços, tronco e pernas,
Bem como as partes internas,
Dos quais Eu não necessito.
Inda assim ficou bonito.

Como era a Mim semelhante
Eu quis chamá-lo Galante,
Mas sendo assim paradão,
Logo mudei para Adão…
Surgiu de Meu desalento
O sopro que o deu alento.

Vivia, embora, sisudo,
Mesmo dispondo de tudo…
Nem o sabor nutritivo
Da carne de todo vivo
Fazia que se alegrasse.
Isto fez com que Eu pensasse:

Sei o que há com Adão
Pois já senti solidão.
Enquanto puxava um ronco,
Tirei-lhe as células-tronco
De uma costela e, com jeito,
Pondo vulva, bunda e peito,

Para que Adão se agradasse,
Criei, c’oa mais linda face,
A Dona Encrenca perfeita.
A cobra, que estava à espreita,
Enquanto Eu me distraia,
Com outra coisa que havia,

Chamou a Eva num canto
E fez com que usasse o encanto
De sua pele louçã
Pra oferecer a maçã
Para o otário do Adão.
O qual comeu de bobão.

Aquilo Me deixou farto!
E criei a dor do parto,
O trabalho e a vestimenta.
A maldita peçonhenta,
Botei de rastros na areia.
E a coisa ficou mais feia:

Expulsei do Paraíso
Aqueles dois sem juízo.
Pro castigo ser mais forte
Criei a pena de morte.
Seus filhos incestuosos
Tornaram-se numerosos

Desrespeitaram Editos
Dos Meus Sagrados Escritos.
Nem mesmo a Mãe Natureza
Foi poupada da avareza,
Deixando Meu belo Mundo
Desfigurado e imundo

E obraram tantos horrores,
Causando males e dores,
Que, ao ver o “reality show”,
Agora nem sei se sou
Verdade ou imaginação
Dos descendentes de Adão.


Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: